Da inconveniência

Já toda a merda se disse sobre o Salvador mas eu quero acrescentar mais um peidinho da minha autoria: o Salvador é daquelas pessoas raras que é livre, que não tem medo ou vergonha, que não pede desculpas por ser como é, que sabe que não tem nada a perder, e isso é muito bonito mas também muito assustador para muita gente. Todos os regimes totalitários sabem que estas são as pessoas mais perigosas e subversivas, as que não têm medo, as que não têm nada a perder.

diário #20170515

Ultimamente não consigo ouvir música quando estou ao computador a trabalhar. Irrita-me e desconcentra-me, mesmo aquele jazzinho instrumental básico a tocar baixinho; o que é mau, porque quando desligo a música o tinnitus torna-se demasiado evidente e por isso cansativo ao fim de algum tempo. Enquanto escrevo isto tenho por companhia um silvo agudo e contínuo como o que acompanhava a mira técnica da rtp. Desinstalar o facebook do telemóvel foi a melhor decisão que tomei nos últimos tempos, só é pena que não dê para ter um feed das principais páginas que sigo sem comentários, só os posts limpinhos sem aquela merda toda que as pessoas usam para se agredirem verbalmente. Se não fosse a ciática, as dores nas costas, o horário e o dinheiro, gostava de me inscrever no Krav Maga. Sou muito boa a arranjar desculpas para não fazer aquilo de que gosto. Também gosto muito de fazer colagens. Não tenho cola em casa.