Há dias em que eu gostava muito de ser homem

Estive a ver a entrevista do Daniel Oliveira ao RAP. Depois descobri que há muitas mulheres apaixonadas pelo RAP. Suspiram a cada palavra dele. Eu não consigo suspirar pelo RAP. Eu jamais me apaixonaria pelo RAP, porque eu jamais me apaixonaria por mim. Eu gostava de ser o RAP. Eu sou o RAP, só que sem cultura, talento ou empenho.  É muito difícil ser o RAP. Gostei muito da entrevista do RAP, todas aquelas palavras podiam ser minhas se eu tivesse cultura, talento e empenho. Mas como não tenho, resta-me a consolação de saber que o RAP podia ser eu, com um pouco mais de cultura, talento e empenho.