Primavera, Ali Smith

Nunca tinha lido nada da Ali Smith, mas tinha muita vontade desde que li um texto na revista Ler sobre ela (deixei de comprar a Ler por essa altura, quando começou a falar das Kardashians, de “mamas na literatura” e do bigode das escritoras). Ali Smith tem uma escrita muito abrangente, é espiritual, física, cómica, trágica, quotidiana, erudita. É uma mistura de coisas muito bem encadeadas. Gostei muito e agora vou ter de ler todas as outras estações do ano.