Porque não uso saias

Geralmente não uso saias. Tenho algumas mas não me sinto confortável a usá-las. Chego a vesti-las e dispo-as logo em seguida, trocando-as por calças. Costumo usar vestidos quase exclusivamente quando vou para a praia. O meu desconforto com saias começou na escola, os rapazes a levantavam-me as saias o tempo todo. Quando fui para a preparatória, comecei a recusar-me a usar saias o que irritava bastante a minha mãe. Preferia roupas mais desportivas e largas, semelhantes às roupas que os rapazes usavam. Esse tipo de roupa protegia-me de uma série de coisas que eu procurava evitar. Estar bonita não era uma prioridade, sentir-me segura sim. A minha mãe e outros familiares não me davam descanso, sempre a pressionarem-me para usar saias e roupas mais femininas. Penso que a minha escolha era inconsciente e automática, pavloviana, não sabia ainda como justificar-me e explicar à minha mãe porque assim era. Acho estranho que nenhum adulto na altura tivesse discernimento para compreender porque é que eu fazia essa escolha; não compreendo também porque continuavam a tentar forçar as minhas escolhas que poderiam ter sido motivadas por uma série de outras coisas relativas a identidade de género ou preferências sexuais. Hoje em dia continuo a vestir-me sobretudo com peças de roupa que tanto poderiam ser de homem como de mulher. Não sei se é força do hábito, se é força de um trauma, se no fundo tenho em mim alguma não binariedade. Não sei, apenas lamento o tempo e energia dispendidos com este assunto ao longo da minha infância e juventude.